Muitos filmes mostram cenas de possessões demoníacas, mas nem todas as pessoas viram ou sabem mais sobre o assunto. Confira 5 casos aterrorizantes de possessões demoníacas

 

1 – Arne Cheyenne Johnson

O episódio ficou conhecido como o “Julgamento Do Demônio Assassino”, pois foi o primeiro caso nos Estados Unidos em que o advogado de defesa tentou inocentar o réu alegando que ele estava possuído por um demônio.

O fato foi que Arne Cheyenne, de 19 anos golpeou com canivete mais de 20 vezes um homem chamado Alan Bond, de 40 anos em Brookline, Connecticut. O crime chocou a pequena comunidade local, mas para surpresa de todos, os advogados de defesa alegaram que Arne estava possuído na hora que cometeu o crime.

 

Arne havia se mudado para a casa de sua namorada, apenas um mês antes de seu irmão começar a se queixar que estava sendo atormentado por um demônio. Logo, a família procurou ajuda da Igreja Católica, que chamou o casal de demonologistas Ed e Lorraine Warren. Este foi o casal que inspirou o filme “Horror de AmityVille”.

 

Ed e Lorraine Warren, por sua vez, realizaram quatro rituais de exorcismo para expulsar cerca de 42 demônios que estavam no corpo do irmão de Arne. Durante esses quatro rituais, Arne desafiou os demônios a se instalaram em seu corpo ao invés do corpo de seu irmão. Pouco tempo depois, Arne, que nunca tivera cometido um crime antes, assassinou um homem. O advogado de defesa de Arne, Martin Minella, tentou usar essa história como argumento de defesa do jovem, mas o juiz do caso, Robert Callahan, recusou alegando que tais evidências não poderiam ser confirmadas cientificamente.

Arne foi declarado culpado pelo júri e foi condenado a uma sentença de 20 anos.

 

2 – David Berkowitz

Durante a década de 1970, um homem chamado David Berkowitz acreditava que demônios falavam com ele, pedindo sangue e mortes. Foi então que David aterrorizou Nova York, fazendo vítimas que na maioria das vezes eram mulheres jovens com cabelos escuros. A polícia logo passou a perseguir o serial killer, e o chamou de “Assassino do calibre 44”.

Em abril de 1977, a polícia achou os corpos de um casal com uma carta que dizia: Prezado Capitão Joseph Borelli, eu estou profundamente magoado por você ter me chamado de odiador de mulheres. Eu não sou. Mas eu sou um monstro. Eu sou o ‘Filho de Sam’. Eu sou um pouco malcriadoQuando pai Sam se embriaga, ele fica malvado. Ele bate em sua família. Às vezes ele me amarra na parte de trás da casa. Outras vezes ele me tranca na garagem. Sam adora beber sangue. ‘Saia e mate’, ordena pai Sam. Atrás da nossa casa alguns descansam. A maioria jovem – estuprados e trucidados – o sangue deles secou – apenas ossos agora. Papai Sam me mantém trancado no sótão também. Para me parar, vocês devem me matar. Atenção toda a polícia: atirem em mim primeiro – atirem para matar, senão fiquem longe do meu caminho ou vocês morrerão! Eu sou o ‘monstro’, o ‘Belzebu’, o ‘Behemoth’. Eu amo caçar. Espreitando as ruas em busca de jogo justo – carne saborosa. Sangue para papai. Sr. Borelli, senhor, eu não quero mais matar. Não senhor, não mais, mas eu devo -‘honre o pai’”.

David ainda cometeu mais alguns assassinatos, mas foi preso pouco tempo depois. Em 1979, enquanto estava no bloco de isolamento da cadeia Attica Correctional Facillity, ele sofreu uma tentativa de assassinato, que segundo ele, o motivo seria vingança por ter falado sobre o culto satânico “Os Filhos de Sam”.

 

3 – Michael Taylor

Em uma pequena cidade da Grã-Bretanha chamada Osset, um homem chamado Michael Taylor e sua esposa Christine frequentavam um grupo religioso de orações. Mas, durante uma dessas reuniões, Michael começou a apresentar um comportamento esquisito, dizendo que sua esposa o traía e outras palavras obscenas.

Passados alguns dias, Michael disse que sentia o demônio em seu corpo, e o grupo de oração decidiu fazer uma sessão de exorcismo. Ele afirmava que após a sessão estava livre do demônio, mas acreditava que ele tinha ido para o corpo de sua mulher. Uma noite, ele arrancou os olhos e a língua de sua mulher e, após assassiná-la, saiu correndo pelos arredores de sua vila gritando: “É o sangue de Satanás”.

 

4 – George Lukins

Um jovem chamado George Lukins passou a apresentar um comportamento esquisito. Ele cantava com uma voz que não era a sua e em idiomas diferentes. Os vizinhos então decidiram mandá-lo para um hospital. Durante cerca de 20 meses, os médicos tentaram achar alguma solução para o problema de George, mas não obtiveram sucesso.

 

Um dia, ele estava muito violento, e o hospital decidiu chamar sete sacerdotes para um exorcismo e, após o ritual, o jovem se livrou do demônio. George afirmou que estava livre daquilo que o atormentava.

 

5 – Anna Ecklund

Uma jovem chamada Anna Ecklund, de apenas 14 anos apresentava sinais de possessão demoníaca e a Igreja Católica foi informada. A igreja acreditava que membros da família da jovem, que praticam feitiçaria, haviam jogado um feitiço em Anna. A garota não suportava qualquer objeto religioso, e de repente passou a descrever atos sexuais.


Segundo a Igreja, ela passou em 1912 por um ritual de exorcismo bem-sucedido, mas em 1928, ela se sentiu atormentada e recorreu novamente à instituição religiosa. Ela ficou alojada em um convento sob o cuidado de freiras. Mas, no convento, ela continuava com comportamentos estranhos e arremessava qualquer comida que recebesse.

 

Algumas testemunhas alegaram que ouviram a jovem falar em vários idiomas e até mesmo que ela teria levitado. Foram 23 dias de rituais de exorcismo até os clérigos declararem que ela estava livre do demônio.

[ Oddee ] [ Fotos: Reprodução / Oddee ]