Você gosta de música? Provavelmente, será impossível achar alguém que não goste. Elas estão presentes em inúmeros momentos de nossas vidas, marcando comemorações, ou momentos tristes.

 

Dançamos ao som de nossas composições favoritas, ou apenas encostamos a cabeça na janela e lamentamos como se estivéssemos em um videoclipe.

As músicas não são apenas capazes de expressar nosso estado emocional, como podem até modificar algumas estruturas cerebrais.

 

Veja a seguir quais os efeitos a música pode ter sobre você:

 

1 – Ouvir música estimula quase todo o cérebro, o que é raro de acontecer;

 

2 – Quando você se arrepia ao escutar alguma música, são os efeitos da liberação da dopamina pelo cérebro, antes de alcançar o ápice da canção;

 

3 – Estudar música (notas, melodia, acordes, instrumentos) traz uma alteração física no cérebro em relação à aprendizagem;

 

4 – Treinar e escutar música ao mesmo tempo melhora o desempenho físico tanto pelo ânimo quanto pela alteração de ritmo;

 

5 – A definição de suas músicas favoritas acontece pelo apego emocional, mesmo que em estilos diferentes;

 

6 – A música que gruda na sua cabeça e nunca sai tem um nome: coceira cognitiva. Para dar um “stop” no efeito, basta mascar chiclete;

 

7 – Músicas animadas ou tristes podem mudar a percepção do mundo a sua volta;

 

8 – Em 1989, o neurobiólogo americano Gordon Shaw, comprovou que a música de Mozart ativa os neurônios e melhora a inteligência. A informação fez com que pessoas ao redor do mundo escutassem o artista em seus horários de trabalho e estudo.

[ Ultra Curioso ] [ Fotos: Reprodução /  Ultracurioso ]