A Ilha de Páscoa, localizada na Polinésia, ao sul do Oceano Pacífico, é conhecida por suas famosas, enormes e misteriosas estátuas de pedra, os chamados moais.

 

No entanto, não muito recentemente, em 2012, surgiram imagens na internet sugerindo que as gigantes construções, que basicamente representam uma série de cabeças, teriam corpos subterrâneos. A informação teria sido divulgada em um e-mail que revelava imagens de escavações realizadas no local, de acordo com a Live Science.

Ainda, segundo o e-mail, arqueólogos que participaram do suposto projeto teriam desenterrado os corpos, que foram enterrados após um período de mais de 500 anos de erosão. Mas, será que essas surpreendentes figuras realmente possuem corpos subterrâneos?

 

De acordo com Jo Anne Van Tilburg, diretora do Easter Island Statue Project, milhões de pessoas buscaram repostas para a questão. “Fomos inundados com mais de 3 milhões de acessos e nosso site caiu”, revelou. Segundo ela, o projeto de fato escavou duas das estátuas do complexo, e as fotos foram divulgadas na página. No entanto, as imagens do e-mail em questão juntavam essas e outras fotos de escavações feitas nos anos 1950, o que causou uma confusão sobre o que era real.

A razão pela qual as pessoas pensam que são [apenas] cabeças, é que há cerca de 150 estátuas enterradas até os ombros na encosta de um vulcão, e estas são as mais famosas, mais belas e mais fotografadas de todas as estátuas da Ilha de Páscoa”, disse. “Isso sugere que as pessoas que ainda não tinham visto as fotos [de outras estátuas desenterradas na ilha] que são apenas cabeças.”

 

Há cerca de um século os arqueólogos estudam as estátuas da ilha, e todos têm conhecimento dos torsos existentes sob as cabeças desde as primeiras escavações 1914.

Esculpidos em rochas vulcânicas entre os anos 1100 e 1500 d.C., os moais foram feitos por antigos polinésios. Eles variam em tamanho, com o mais alto atingindo cerca de 10 metros de altura. Embora a importância da construção ainda seja um mistério, acredita-se que elas sejam representações de ancestrais dos povos indígenas. As tribos provavelmente teriam esculpido cada estátua quando uma figura tribal importante morria, de acordo com Van Tilburg.

 

Um novo trabalho de escavação pretende documentar, pela primeira vez, as esculturas complexas encontradas nos corpos das estátuas enterradas, que foram protegidas contra as intempéries enquanto presas na terra. O projeto também planeja preservar os monólitos, de acordo com a diretora. “Temos uma equipe que nos acompanha, consolida e protege a pedra, aplicando produtos químicos específicos e repelentes contra a água”.

[ Live Science ] [ Fotos: Reprodução / Live Science ]