Quando você vai se deitar à noite, provavelmente a última coisa que passa pela sua cabeça é o tipo de criaturas assustadoras que estão vagando pela sua cama, lençóis e cobertores.

 

Você tem esporos de fungo, pelos de animais, pólen, solo, produtos químicos da própria produção dos lençóis, corantes, todo tipo de fluido do corpo humano, incluindo suor, saliva, excreções vaginais e anais, células humanas mortas”, enumera Philip Tierno, microbiólogo da Universidade de Nova York. “Além disso há cosméticos que as pessoas usam – elas colocam óleos e cremes no corpo”.

E isso não é tudo. “Tem também comida que as pessoas comem na cama. Isso produz um ambiente ótimo para esses organismos”, acrescenta ele.

 

Os micróbios domésticos afetam negativamente a sua saúde, e podem causar ou exacerbar alergias e asma. Você está pensando que está livre disso porque é uma pessoa limpinha? Pense novamente. Os seres humanos produzem naturalmente 98 litros de suor por ano apenas na cama. Essa umidade é o meio ideal para fungos se reproduzirem.

 

Um estudo de 2015 analisou o nível de contaminação de fungos na roupa de cama, e foi observado que travesseiros de pena ou materiais sintéticos com tempo de uso entre um ano e meio e vinte anos podem conter entre 4 e 17 espécies de fungo.

Com o tempo, a quantidade de fungo, bactéria e outros detritos que se acumulam é dramático. “Você sabe como a Roma foi coberta e tivemos que escavá-la para encontrá-la de novo? Isso aconteceu porque a gravidade faz com que os detritos acumulem-se através do tempo e enterrem as coisas. A mesma coisa acontece com colchões e travesseiros: a gravidade traz tudo isso para o centro do colchão e travesseiro, e você está inalando esses detritos 8 horas por noite”, compara Tierno.

 

Considerando que uma em cada seis pessoas têm alergias, e que uma pessoa normal passa cerca de um terço de sua vida na cama, este local que parece tão aconchegante pode ser a fonte do nosso sofrimento.

 

Eu ainda nem mencionei os ácaros. As fezes dos ácaros e seus detritos são alérgenos. Mesmo se você não tem alergia a eles, você tem uma reação leve como nariz entupido.”

Então com que frequência a roupa de cama deve ser trocada? “Coisas como essas se acumulam e tornam-se significantes entre uma e duas semanas de uso. Resumindo, elas deveriam ser lavadas provavelmente uma vez por semana”, orienta ele. Já o edredom ou cobertor não precisa ser lavado com tanta frequência: geralmente uma vez a cada semestre, dependendo do uso, diz Tierno.

 

Quem sofre com alergias respiratórias e de pele também pode colocar capas impermeáveis antiácaro nos travesseiros e no colchão para limitar a passagem e contato com esses incômodos aracnídeos.

[ Science Alert via HypeScience ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]