Apesar de ter surgido como uma alternativa a uma forma tradicional de transporte, a Uber está longe de ser uma caridade ou um anjo de bondades. Acumulando denúncias de assédio no ambiente de trabalho e outros escândalos, há alguns meses a companhia começou a cobrar o valor integral da corrida antes mesmo do carro chegar. Aqueles que recebem alertas imediatos de cobranças do cartão de crédito no momento da compra perceberam logo de cara: o aplicativo de transporte cobra dos passageiros quando eles pedem o carro, estimando quanto a viagem vai custar – caso a corrida seja cancelada, o valor é reembolsado.

 

Porém, o pagamento dos motoristas é baseado em quilometragem e nos minutos que a corrida dura. Como a estimativa de preços é um negócio complicado, as tarifas cobradas antecipadamente pela Uber nem sempre coincidem com a tarifa de tempo e distância. Às vezes, um passageiro paga menos do que o que o medidor diz e a Uber absorve a perda. Outras vezes, o passageiro é cobrado mais do que a corrida realmente dá, e, ao invés de reembolsar o passageiro, a Uber fica com a diferença para si, relata o portal Quartz.

Desde que introduziu o pagamento antecipado nos EUA, cerca de um ano atrás, a empresa se recusou repetidamente a comentar ou fornecer dados sobre se o sistema levou a ganhos ou perdas. Em vez disso, a Uber disse que o objetivo é que o valor seja exato em muitas viagens. A empresa também esquivou-se repetidamente de questões sobre se tarifas antecipadas devem cair dentro de uma determinada faixa do preço final medido, para limitar o quanto um cliente pode ser cobrado a mais.

 

Compreendendo o lucro indevido

O serviço de caronas é um negócio de alto volume com baixa margem de lucro, o que significa que mesmo uma pequena diferença em favor da Uber poderia virar um monte de dinheiro extra para a empresa. Em dezembro passado, a Uber recebeu por 78 milhões de corridas apenas nos EUA e é difícil saber o que está realmente acontecendo sem acesso aos dados da empresa. Porém, a equipe do The RideShareGuy, um blog popular entre motoristas de Uber no exterior, recentemente teve uma ideia destes valores com um experimento feito em Nova York. O fundador da RideShareGuy, Harry Campbell, colaborou com o pesquisador da Data & Society Alex Rosenblat para analisar os ganhos de cinco semanas de um motorista da Uber em Nova York que concordou em compartilhar seus dados.

Os recibos dos condutores mostram ganhos assim como outras deduções da corrida, tais como o imposto de 8,875% que a Uber paga em New York. Este imposto é calculado sobre a venda ao motorista e Campbell e Rosenblat o usaram para determinar o que o cliente tinha pago. Eles então compararam as tarifas dos clientes com a tarifa de tempo e distância vista pelo motorista. Em resumo: a Uber saiu lucrando. Em mais de 165 viagens de início de março a início de abril, a Uber cobrou um total de US$ 85,54 (aproximadamente R$ 280) a mais dos passageiros deste condutor. Em outras palavras, as tarifas iniciais pagas pelos usuários eram muito mais elevadas do que as tarifas usadas para calcular o pagamento do motorista. A empresa perdeu dinheiro em geral no UberPool, seu serviço de divisão de caronas, mas mais do que compensou esse prejuízo com os clientes que pediram viagens no UberX e suas outras opções.

 

Diferentes categorias

A Uber j;a declarou que muitas vezes perde dinheiro em viagens do Pool, e os dados analisados pelo The RideShareGuy confirmaram isso. A empresa perdeu um total de US$ 108 em 49 viagens do UberPool durante as cinco semanas e US$ 10 ou mais em sete viagens diferentes na categoria. Mas a única diferença de maior valor em favor de Uber também aconteceu no Pool. Nesse caso, o usuário pagou US$ 91,84, enquanto a tarifa de tempo e distância, mais os impostos, chegou a US$ 50,60. Em outra viagem do Pool, a Uber ganhou US$ 26,78 a mais. O algoritmo de correspondência do Pool ainda está sendo aperfeiçoado, por isso faz sentido que as estimativas de tarifas desse serviço sejam mais voláteis. Os números muitas vezes favorecem à pessoa que pediu o carro, mas nem sempre.

Com o UberX, a história é diferente. A Uber cobrou a mais dos clientes um total de US$ 162,56 em 82 corridas. Apesar de ter cobrado a mais US$ 20 ou mais em quatro viagens diferentes, perdeu US$ 10 ou mais em apenas uma. As perdas por corrida foram, na verdade, mais frequentes do que os ganhos por corrida, mas os poucos casos em que a Uber ganhou mais do que deveria compensaram com folga os valores perdidos. O UberX é a opção mais barata de viagem privada que a empresa oferece e um de seus serviços mais antigos.

Michael Amodeo, porta-voz da Uber, disse em um comunicado que a empresa discordou das “conclusões abrangentes do The RideShareGuy, que são baseadas na experiência de um motorista em uma pequena amostra de viagens”. No passado, a Uber afirmou que o preço cobrado logo no início da corrida é projetado para empatar, não só para a empresa, mas também para os motoristas, ao longo de muitas viagens. Amodeo se recusou a comentar se os preços iniciais fizeram com que a companhia perdesse ou ganhasse dinheiro desde que o sistema estreou. Ele acrescentou: “Entendemos que os motoristas têm dúvidas sobre seus ganhos”.

QZ  via HypeScience ] [ Fotos: Reprodução / HypeScience / QZ ]