Os peixes-pedra já eram espécies de meter medo no mundo aquático: além de serem o tipo mais venenoso de peixe que conhecemos, têm vários espinhos afiados pelo corpo.

 

Agora, os cientistas descobriram que esses animais são ainda piores do que pensávamos: também têm o que é basicamente um osso que imita um canivete localizado sob suas cavidades oculares. Os pesquisadores nomearam esse osso de “sabre lacrimal”.

 

O sabre lacrimal

Os peixes-pedra usam vários músculos e ossos, incluindo os circum-orbitais, maxilares e mandíbulas adutoras, para controlar este mecanismo perigoso. Todo este grupo de peixes é chamado de escorpeniformes, uma vez que os ossos sob os seus olhos se ligam ao esqueleto branquial.

 

Como todos esses músculos estão presos ao esqueleto das guelras, isso permite toda a força que faz com que o sabre lacrimal seja aberto”, disse o pesquisador William Leo Smith, da Universidade do Kansas (EUA).

Normalmente, como um canivete, o osso fica “guardado” confortavelmente contra o rosto do peixe-pedra. Contudo, pode despontar para fora como um bigode mortal.

Unidos pelo sabre

Os cientistas já sabiam que esses sabres lacrimais existiam até certo ponto. O que o novo estudo conduzido por Smith notou foi o grande número de modificações que permitiram que esses peixes tivessem esses apêndices.

 

Smith descobriu o mecanismo estranho dos sabres há 15 anos, enquanto dissecava um peixe da espécie Paracentropogon longispinis. Desde então, tem sido um longo caminho para confirmar como funciona e para encontrar todos os peixes em potencial que possuem esse recurso.

 

Graças a sua pesquisa, que compreende toda a evolução do organismo de defesa, a definição de peixe-pedra agora inclui um número de outros tipos de peixes.

Nova definição

Smith e sua equipe analisaram geneticamente 113 características morfológicas e 5.280 características moleculares de 63 espécies de peixes-pedra.

Cada espécie de peixe-pedra (da família Synanceiidae) que examinei tem esse recurso [os sabres lacrimais] e define esse grupo exatamente como um mamífero é definido pelas glândulas mamárias”, explicou Smith.

 

Ao revisar a definição dessa família, os peixes-pedra se transformaram em um grupo muito maior de organismos, que agora inclui peixes-veludo (Aploactinidae), peixes-vespa (Tetrarogidae), peixes-proa (Zaproridae), entre outros. Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Copeia.

ScienceAlert via HypeScience ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]