Temos muitos anos de palavra escrita que registraram o que conhecemos como história para consultar. A interpretação desses dados é sempre subjetiva. Mas um computador pode nos mostrar algumas tendências interessantes.

 

Pesquisadores de inteligência artificial da Universidade de Bristol, no Reino Unido, executaram bilhões dessas palavras de décadas de cobertura de notícias através de uma análise automatizada, revelando padrões e insights.

Declínio e ascensão

A equipe analisou 35 milhões de artigos de 100 jornais locais britânicos escritos durante 150 anos, usando simples análise de conteúdo e processos de aprendizagem de máquina sofisticados. O computador “leu” cerca de 30 bilhões de palavras, permitindo que os pesquisadores identificassem grandes eventos, como guerras e epidemias.

A técnica permitiu que os cientistas vissem a ascensão e a queda de tendências diferentes durante o período do estudo – 1800 a 1950. Por exemplo, eles puderam seguir o declínio do vapor e a ascensão correspondente da eletricidade – as trajetórias opostas se cruzaram em 1898. Da mesma forma, eles descobriram quando os trens ultrapassaram os cavalos em popularidade: em 1902.

 

Profissões e viés de gênero

Ao associar pessoas famosas às notícias de sua profissão escolhida, a equipe descobriu que políticos e escritores tinham a melhor chance de se tornarem conhecidos durante suas vidas. Os cientistas e os matemáticos eram menos propensos a conseguir tal fama, mas aqueles que conseguiram provavelmente viram sua notoriedade durar por mais tempo.

Não surpreendentemente, os homens estão mais presentes nas notícias do que as mulheres. Um aumento lento nas menções de mulheres pode ser visto depois de 1900. O progresso não foi grande, no entanto: os pesquisadores observaram que o viés de gênero nas notícias de hoje não é muito diferente.

 

Reino humano

Enquanto a grande análise de dados pode fornecer informações adicionais interessantes sobre a história, os pesquisadores não têm o objetivo de fazer a inteligência artificial substituir os historiadores em breve. “O que não pode ser automatizado é a compreensão das implicações dessas descobertas para as pessoas”, disse o Dr. Tom Lansdall-Welfare, que liderou a parte computacional do estudo. “Esse será sempre o reino das ciências humanas e sociais, e nunca o das máquinas”.

 

Os resultados do estudo foram publicados em um artigo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

[ NewAtlas via HypeScience ] [ Foto: Reprodução / NewAtlas ]