Quantas vezes você entrou em um banheiro público e viu uma placa pedido para que não jogue papel ou absorventes higiênicos dentro do vaso?

 Aparentemente, não são todas as pessoas que cumprem o pedido e, de fato, algumas estão descartando até mesmo lenços umedecidos.

No Reino Unido, por exemplo, o caso foi abordado com seriedade uma vez que centenas de milhares de bloqueios foram reportados nos encanamentos da Inglaterra.

No início do ano passado, por exemplo, funcionários que trabalhavam em um canal de esgoto público em Stroud, no distrito de Glócester, sudoeste do país, se depararam com um enorme entupimento envolvendo lenços umedecidos.

O problema com o lenço é que eles possuem plástico em sua composição, o que dificulta que sejam decompostos como o papel. Sendo assim, o governo decidiu fazer um ultimato aos fabricantes: ou eles criam lenços sem plástico, ou a produção será permanentemente encerrada.

De acordo com um estudo feito pelo City to Sea, os entupimentos envolvendo lenços umedecidos custam centenas de milhões ao Reino Unido.

Outro estudo, dessa vez feito pela Water UK, órgão comercial que representa todas as principais empresas de água e esgoto do país, descobriu que os lenços constituíam cerca de 93% do material que causava bloqueios de esgoto.

“Há coisas que as empresas de água podem fazer, como melhorar a educação sobre o que deve e não deve ser jogado nos vasos. Existem coisas que os fabricantes podem fazer, como tornar a rotulagem mais clara em produtos que não podem ser descartados na água.

E, é claro, há coisas que os indivíduos podem fazer – que é reciclar os lenços ao invés de descartá-los via descarga”, disse Era Stewart, diretora dos assuntos corporativos da Water UK.

O relatório afirmou ainda que ocorrem cerca de 300 mil bloqueios de esgoto a cada ano, custando o equivalente a quase meio bilhão de reais, dinheiro que, segundo a Water UK, poderia ser gasto na melhoria dos serviços.

Já para Natalie Fee, do City See, que tem dirigido uma campanha sobre a conscientização do que é jogado no vaso sanitário, afirmou que as pessoas deveriam repensar seus hábitos e dar descarga somente no “xixi, cocô e papel” – coisas que não são estimuladas em todos os países.

No Brasil, por exemplo, as companhias de esgoto pedem que as pessoas não joguem, em nenhuma hipótese, papel no vaso, o que pode entupir os canos, já que o Brasil não é preparado para este tipo de descarte.

“A maioria das pessoas ainda não sabe que os lenços umedecidos contêm plástico, e seria muito menos provável que eles o descartassem na descarga se fosse listado como um ingrediente na embalagem”, concluiu.

Via: Ofigenno / The Guardian Imagens: Reprodução / Ofigeno ]