Um homem foi declarado como doente terminal, com aproximadamente 12 semanas de vida.

 

Porém, ele teve seu último desejo realizado. Rob Haste, de 51 anos, tocou o mar pela última vez. Ele criou uma lista de desejos que pretende completar, após ter sido diagnosticado com um linfoma primário do osso, em sua coluna, há dois meses.

 

Depois de reagir mal à quimioterapia, os médicos deram-lhe a notícia devastadora de que ele teria apenas alguns meses de vida. Seu desejo de tocar o mar novamente foi concedido com a ajuda de um cavalo especial e uma espécie de carroça, que puxaram sua cadeira de rodas na praia de Exmouth, em Devon, Inglaterra.

 

“Foi absolutamente incrível. Foi a primeira vez em muitos anos que eu visitei a praia. Eu realmente tinha que colocar minha mão na água e ela estava muito fria! Eu achava que nunca chegaria a ver a praia novamente”, relatou Rob.

 

O veículo foi inventado por Simon Mulholland, cujo serviço permite que as pessoas com deficiência façam coisas que nunca imaginariam ser possíveis. Chamado de Ibex Saddlechariot, o carrinho com pneus de grande espessura é capaz de viajar sobre superfícies irregulares e molhadas. Ele parece ser impossível de tombar.

 

Rob disse que a viagem à praia, realizada na última quarta-feira, foi uma terapia fantástica. A experiência foi tão boa que aquele foi o primeiro dia, após muito tempo, que ele não precisou usar seu nebulizador/inalador. “Isso elevou meu espírito e eu não me importaria de ter outra chance. Eu gostaria de dizer um grande obrigado a Ian Newton, que me levou para lá, e a Simon Mulholland, por tornar isso possível”, disse ele.

poucas-semanas-de-vida-realiza-sonho

No topo da lista de desejos de Rob, estava ficar noivo e se casar com sua parceira, Angie Horner, de 40 anos. “Eu apenas encaro cada dia como qualquer outro especial. O fato de eu acordar é um bônus”, concluiu o britânico.

 

O linfoma primário do osso (LPO)

O LPO é uma condição extremamente rara, geralmente confundida com outras lesões ósseas primárias. É responsável por cerca de 3% a 5% de todos os tumores malignos no osso e por 4% a 7% de todos os linfomas não-Hodgkin extranodais.

 

A condição se caracteriza pelo envolvimento dos linfonodos de um ou vários locais ósseos sendo comprometidos. Normalmente, os ossos longos são os mais afetados, como o fêmur e a coluna cervical.

 

Segundo um artigo publicado no portal Scielo, a condição pode ser tratada: “A combinação de quimioterapia e radioterapia tornou-se o tratamento padrão. LPO é um tumor maligno altamente curável com essa terapia combinada”. Porém, casos mais agudos, como o de Rob, podem ser fatais.

[ Mirror / Scielo ] [ Foto: Reprodução / Mirror ]