Um acontecimento lamentável e revoltante chocou a internet e tornou-se viral em todo o mundo após uma cena de tortura ganhar as capas de jornais e principais sites.

Na cidade de Riyadh, na Arábia Saudita, uma empregada doméstica foi severamente humilhada ao ser amarrada pelos patrões em uma árvore.

Segundo as informações divulgadas, o ato desumano foi motivado após a empregada deixar alguns móveis expostos ao sol e, como medida punitiva, os patrões resolveram “pagar na mesma moeda”, deixando-a exposta aos raios solares, para que sofresse queimaduras.

As fotos de Lovely Acosta Baruelo, de 26 anos, que ganharam o mundo, foram registradas por seu amigo que também trabalhava na casa. Nas imagens, percebe-se claramente que ela está com os pulsos amarrados e as pernas.

Seu amigo, que preferiu permanecer anônimo, comentou à imprensa que os patrões falaram que a punição era para que a empregada sentisse na pele a dor e os danos que os raios de sol podem provocar.

Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, o Departamento de Relações Exteriores das Filipinas, país da empregada doméstica, ficou sabendo do caso pelas redes sociais e imediatamente ajudou a mulher a voltar para seu país.

“A Embaixada das Filipinas em Riyadh reportou que o caso de Lovely Costa Baruelo foi denunciado e ela foi repatriada no mesmo dia. Baruelo foi punida por seu empregador, que a colocou amarrada em uma árvore”, disse o Departamento de Relações Exteriores em nota divulgada.

Após a enorme repercussão, Lovely comentou sobre o ocorrido e desabafou para milhares de pessoas que ficaram revoltadas com o caso:

Obrigada a todos que me ajudaram. Gostaria de pedir ajuda aos filipinos que ficaram lá. Foram eles que me desamarraram e enviaram as fotos. Temo pela integridade física deles. Espero que sejam resgatados”.

Ela ainda demonstrou sua indignação ao falar diretamente para o patrão sobre as atrocidades:

E aquele velho vai encontrar o seu karma, espere. Você está com a saúde debilitada por essa razão. Esse é o seu karma por todas as coisas erradas que fez”.