Hoje, em dia muitos artistas são livres para se expressar. Eles usam de todos os seus recursos e habilidades para exibir ao mundo suas criações, isso às vezes os levam a escândalos, mas os artistas não se podam pensando nisso e sempre tentam o máximo. Mas não foi sempre assim. Em diversos países existiram períodos em que artistas não podiam falar abertamente suas opiniões ou, pior ainda, opiniões políticas.

 

O maior controle feito individualmente foi na época da Inquisição, quando havia censura total da Igreja sobre a vida pública. Portanto, os artistas deixaram mensagens em pinturas e esculturas, assim só pessoas que procurassem sobre o assunto conseguiriam compreender o real significado de algumas mensagens. 

 

“Última Ceia” de Leonardo Da Vinci 

Uma das pinturas mais famosas do mundo. Essa pintura do italiano Leonardo da Vinci, do Renascimento, ficou ainda mais famosa quando Dan Brown em seu livro “O Código Da Vinci” descreveu códigos e mensagens secretas que o artista teria deixado para a posteridade. Segundo Dan, no quadro existe uma mensagem astrológica que afirma que o mundo vai acabar em 21 de março de 4006. 

 

“Deus Separando a Luz das Trevas” de Michelangelo 

Outro grande artista e escultor do Renascentismo, Michelangelo. Acredita-se que ele tenha deixado mensagens secretas criptografadas em suas obras. O mais famoso e principal trabalho do italiano são os afrescos no teto da Capela Sistina.  Se você olhar atentamente o fragmento “Deus Separando a Luz das Trevas” consegue perceber que o pescoço e o queixo de Deus formam o cérebro humano. Naquela época, a Igreja proibia experiências com cadáveres, mas como Michelangelo dissecou corpos no cemitério local, estudou anatomia humana, mas, como não podia publicar seus estudos, acabou utilizando suas pinceladas para isso. 

 

“Terraço do Café à Noite” de Vincent Van Gogh 

“Café Terrace at Night” é a obra mais valiosa do artista holandês pós-impressionista. De primeira vista, a pintura parece apenas pessoas comuns em um café e uma rua vazia de noite. No entanto, especialistas em Van Gogh notaram que temos uma nova versão da “Última Ceia”. O artista era muito religioso, embora isso não fosse sempre transpassado em suas obras. Na pintura vemos exatamente 12 pessoas que se sentavam em torno de um homem de cabelos compridos, assim como no original. Você também pode ver diversas cruzes espalhadas. 

 

“Mona Lisa” de Leonardo Da Vinci 

Também uma pintura icônica do renascentista. A gravura atormenta a mente dos pesquisadores há mais de um século. Ao olharem a obra sob um microscópio, os pesquisadores descobriram mensagens ocultas sob a lona da tela. O olho esquerdo da senhora teria números e até mesmo letras microscópicas. Até hoje não descobriram o significado deles, mas os cientistas não perdem a esperança de resolver esse mistério. Ao olhar a obra se percebe que Mona Lisa tem um pouco de cara de segredo, mas se você olhar diretamente para ela, parece que ela está séria. Tudo isso é efeito das habilidades de sombra e luz de Leonardo. 

 

“A Primavera” de Sandro Botticelli 

“A Primavera” de Botticelli não tem uma história tão conhecida no ocidente, mas ela mantém um amontoado de significados ocultos. A pintura foi encomendada por uma das famílias mais influentes da época em Florença (Família Médici). Alguns historiadores argumentam que a tela seja uma conspiração dirigida contra a família.  O mais interessante sobre a obra está nos detalhes. A pintura de Sandro retrata aproximadamente 500 plantas diferentes, que são podem crescer na periferia de Florença. Tal conhecimento de botânica é invejado até mesmo por grandes profissionais experientes na área. 

 

“A Tempestade” de Giorgione Barbarelli 

A obra do artista veneziano retrata um homem e uma mulher perto das muralhas da cidade, com uma tempestade se aproximando. Especula-se que o homem possa ser um soldado, um nobre ou até um pastor, e a mulher uma prostituta, Eva ou Maria. Muito provavelmente, Giorgione pintou Adão e Eva com seu filho Caim. A cidade simboliza o paraíso do qual os pecadores foram banidos. A tempestade simboliza a ira de Deus. Para os gregos e judeus, fúrias e relâmpagos sempre significaram a fúria dos deuses. 

 

“Baco” de Caravaggio 

A pintura mais famosa de Caravaggio não está nessa lista por qualquer coisa. Também é possível encontrar diversos detalhes interessantes nela que não podem ser notados instantaneamente. Durante um bom tempo, especialistas em arte acreditaram que a imagem fosse do antigo deus romano do vinho Baco, equivalente a Dionísio. Parece que o que se retrata na tela é um deus que convida o público a se divertir. Mas não é tão simples assim. Graças à tecnologia moderna, cientistas descobriram um autorretrato de Caravaggio na garrafa de vinho no canto inferior esquerdo da obra. 

 

Você gostou de saber sobre esses segredos que listamos? Comente quais mistérios desses quadros você acredita que ainda podem ser revelados.

 [ Ofigenno ] [ Fotos: Reprodução / Ofigenno ]