Em junho deste ano, um gerador de imagens que conseguia transformar o desenho mais grosseiro de um rosto em uma imagem de aparência mais realista fez sucesso na internet.

O sistema usava um tipo novo de algoritmo, chamado de rede adversária generativa (GAN). Agora, a fabricante de chips NVIDIA desenvolveu um sistema que emprega um GAN para criar imagens muito mais realistas das pessoas.

As redes neurais artificiais são sistemas desenvolvidos para imitar a atividade dos neurônios no cérebro humano. Em um GAN, duas redes neurais são essencialmente opostas uma contra a outra. Uma das redes funciona como um algoritmo generativo, enquanto o outro desafia os resultados do primeiro, desempenhando um papel adversário. Como parte de suas aplicações expandidas para inteligência artificial, a NVIDIA criou um GAN que usou o banco de dados da CelebA-HQ de fotos de pessoas famosas para gerar imagens de pessoas que na verdade não existem.

 

A ideia era que os rostos criados pela inteligência artificial pareceriam mais realistas se duas redes trabalhassem uma contra a outra para produzi-las. Primeiro, a rede generativa criaria uma imagem com uma resolução menor. Então, a rede oposta avaliaria o trabalho. À medida que o sistema avançava, os programadores adicionaram novas camadas que lidavam com detalhes de alta resolução até que o GAN finalmente gerasse imagens de “qualidade sem precedentes”, de acordo com a equipe da NVIDIA.

Humano ou Máquina?

A NVIDIA lançou um vídeo de seu GAN em ação, e os rostos criados pela inteligência artificial são absolutamente notáveis ​​e incrivelmente estranhos. Se não soubessemos que os rostos são gerados por máquinas, poderíamos facilmente acreditar que eles pertencem a pessoas reais. Na verdade, essa linha entre o que é humano e o que é gerado por máquinas é um tema de muita discussão dentro do domínio da IA, e o GAN da NVIDIA não é o primeiro sistema artificial a imitar de forma convincente algo humano.

 

Uma série de IAs usam técnicas de aprendizado profundo para produzir uma fala humana. O DeepMind da Google tem a WaveNet, que agora pode copiar o discurso humano quase que perfeitamente. Enquanto isso, o algoritmo de inicialização do Lyrebird é capaz de sintetizar a voz de um ser humano usando apenas um minuto de áudio. Ainda mais perturbador ou fascinante – dependendo da sua opinião sobre a inteligência artificial – são robôs que supostamente entendem e expressam emoções humanas. Exemplos disso incluem os robôs Sophia, da Hanson Robotics, e Pepper, da SoftBank.

Claramente, uma era de máquinas mais inteligentes já chegou. Conforme a capacidade da inteligência artificial de realizar tarefas que anteriormente apenas seres humanos poderiam realizar melhorar, a linha entre humanos e máquinas continuará a diminuir. A única questão é se ela acabará desaparecendo completamente.

Science Alert via HypeScience ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]