Motoristas de diversos estados do Brasil devem estar preparados para o novo aumento no valor do litro dos combustíveis.

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) divulgou oficialmente nesta segunda-feira (13/05/2019) os valores constando em tabela que serão aplicados como referência em 16 estados do país e no Distrito Federal.

O aumento, que entrará em vigor na próxima quinta-feira (16/05/2019), afetará os estados do Acre, Alagoas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo, além do DF.

Em alguns estados o valor irá ultrapassar os R$ 5,00. Os estados com os maiores valores são o Acre (R$5,02), Minas Gerais (R$ 5,04) e Rio Grande do Norte (R$ 4,98).

O Confaz levou em consideração a PMPF, que é o preço médio ponderado ao consumidor final e é usado como referência para o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) que é de responsabilidade da Petrobrás ao vender os combustíveis para os postos de gasolina, impactando diretamente no valor cobrado na bomba para os consumidores.

De acordo com o portal Metrópoles, a tabela da Confaz (que você confere logo abaixo), traz novos preços também para o gás de cozinha, querosene de aviação, etanol, gás natural veicular, gás natural industrial e óleo combustível.

Caminhoneiros irão fazer greve?

Não somente a gasolina irá subir. O diesel, alvo das greves dos caminhoneiros que ocorreram há pouco tempo, também irá subir.

Ao total, são 13 estados e o DF que verão os valores serem reajustados. O novo preço no DF será de R$ 3,77 em média. O maior valor registrado deverá ser no Acre, com média de R$ 4,48 o litro. Estima-se que o Paraná seja o estado com o menor valor, cerca de R$ 3,26.

Caminhoneiros já prometeram uma nova greve nacional no dia 19 de maio, já que o valor do diesel é o maior embate entre a classe e o governo federal.

Governo se pronuncia sobre os reajustes

De acordo com o Ministério da Economia, não existe aumento no preço dos combustíveis.

 O Confaz apenas divulgou, como ocorre a cada 15 dias, o preço médio ponderado ao consumidor final para fixar a base de cálculo para a incidência do ICMS, para retenção tributária, pelas refinarias, importadoras e usinas”, diz nota divulgada.

O ministério ainda afirmou que a tabela divulgada “não tem intuito de fixar preço dos combustíveis”.

A fixação da Base de cálculo é baseada em uma pesquisa realizada pela administrações tributárias dos Estados brasileiros de preço junto aos postos de combustíveis, considerando as diversas regiões dentro de cada estado”, conclui a nota.