O juiz alegou sumariamente que eles eram “irmãos” porque haviam sido amamentados pela mesma mulher quando eram bebês.

 

O tribunal, da cidade de Rass, afirmou que existia provas suficientes de que eles eram irmãos – independentemente se existe ou não laços sanguíneos. Segundo o processo, eles são filhos de mulheres diferentes, mas suas mães não puderam amamentar.

 

A solução encontrada foi buscar uma mulher que pudesse lhes fornecer leite materno. O juiz compreendeu então que, por terem mamado na mesma mulher, eles são irmãos e não podem ter nenhum tipo de relacionamento.

 

A justiça não levou em consideração 25 anos de casamento e 7 filhos gerados na união, determinando o imediato divórcio.

 

O tribunal exige que eles se divorciem depois que foi provado terem mamado na mesma mulher”, disse Al Watan de acordo com o portal Emirates247.