A tecnologia mostra-se cada vez mais promissora e infinita em sua magnitude. Quiçá, em breve a tecnologia permitirá que as pessoas julguem uma máquina como boa companhia, podendo inclusive torna-las suas companheiras amorosas.

 

Enquanto há temores de robôs dominarem o mundo, caso a inteligência artificial avance muito rapidamente, alguns humanos poderão simplesmente casar-se com eles no futuro. 

 

Um importante cientista da computação previu que, como os robôs se tornam cada vez mais parecidos com humanos, as pessoas podem pensar em transformá-los em companhia, num futuro próximo. Suas previsões lembram seriados de TV, nos quais as pessoas formam ligações emocionais com robôs trazidos para ajudar nos deveres do lar. Ao contrário de outras tecnologias como telefones celulares e computadores, os robôs terão capacidade de interagir com a gente de forma muito mais realista.

 

O Dr. Kevin Curran, um cientista da computação da Universidade de Ulster e membro sênior do Institute of Electronic and Electrical Engineers, argumenta que o armazenamento em nuvem tem o potencial de transformar a inteligência artificial, oferecendo a possibilidade de os robôs se tornarem muito mais realistas.

 

Falando à MailOnline, ele explica: “Parece que, quando estas máquinas começarem a agir da mesma forma que adultos, interagindo e conversando em tempo real, os robôs poderão ser a companhia perfeita. Também temos de perguntar a nós mesmos: se os robôs forem readaptados para companhia, os seres humanos ficarão íntimos deles? A resposta, creio eu, é sim!”

 

“Será que veremos alguém lutando em processos judiciais pelo direito de casar com seu companheiro (a) robótico (a)? Teremos casos no tribunal, argumentando que esses seres artificiais têm os mesmos direitos que os seres-humanos?”. “Quais pressões isso vai colocar no sexo oposto? De repente, as pessoas vão perceber que não estão apenas competindo com seu próprio grupo, mas também com esta raça perfeita de robôs.”

 

Percebe-se um movimento crescente para a produção de robôs realistas em uma tentativa de ajudá-los a superar muitos dos desafios que enfrentariam ao redor do mundo.

 

A empresa Robótica Boston Dynamics, propriedade do Google, produziu robôs que se movem como cães, guepardos e seres-humanos, tornando-os capazes de enfrentar dificuldades consideráveis. Outros pesquisadores têm trabalhado em desenvolver robôs que se comportam mais como seres humanos, como Bina48: robô que adotou a personalidade de uma pessoa real. 

 

Cientistas de inteligência artificial também começaram a explorar técnicas, tais como a aprendizagem profunda, para dar aos computadores capacidade emocional. Isto é o que nos permite deduzir informações do mundo ao seu redor, especialmente em relação às outras pessoas. Desvendar isso, será essencial para permitir que os robôs se tornem amplamente aceitos em nossas casas, de acordo com o Dr. Curran. “Há um novo movimento em relação à robótica na nuvem, onde grande parte do processamento é feito remotamente, isso realmente ajudou a aumentar algumas possibilidades”, disse ele.

 

“Os robôs estão se tornando mais leves e móbeis e requerem apenas um Wi-Fi e um processador. Medida, precisão e cálculos são realizados remotamente. Nós estamos finalmente começando a ver robôs que realmente podem andar como criaturas reais. Basta olhar para o que a Boston Dynamics tem conseguido.”

 

O Dr. Curran acrescentou a probabilidade da primeira massa de robôs vir para fornecer companheiros às pessoas idosas ou amas para crianças. No entanto, ele explicou: “Nós apenas precisamos projetar mais alguns anos e poderemos ver os robôs sendo readaptados para fins sexuais, sendo que outras tecnologias já foram readaptadas desta maneira, basta olhar para a internet. Uma grande quantidade de tráfego na internet é de sites adultos.” Recentemente, pesquisadores do Japão revelaram que uma “atriz” robótica tem sido aclamada como a “robô mais sexy do mundo”.

 

O Laboratório Hiroshi Ishiguro da Universidade de Osaka desenvolveu o robô chamado Geminoid F, para agir como um ser humano. O robô tem “pele” de borracha e rosto de mulher, mas não pode andar, por isso tem de ser levado até os lugares.

 

O Dr. Curran disse que, como robôs se tornarão cada vez mais comuns, é possível ocorrerem mudanças sociais. Ele aponta que, como as pessoas são suscetíveis a adaptações rápidas, pode levar mais tempo para que as autoridades e a legislação combatam o avanço da tecnologia. E questiona: “Estaremos preparados para quando os robôs forem integrados à sociedade e parecerem seres humanos? Quando os robôs chegarem ao mercado e saírem na rua com seus companheiros, como você explicará isso ao seu filho de cinco anos?”

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]