Apesar de ser constantemente mostrado na arte religiosa como um homem caucasiano, com o cabelo longo e castanho, além de olhos azuis, Jesus Cristo, provavelmente, não era assim.

 

Sua pele deve ter sido mais escura e seu cabelo curto, encaracolado e preto. O artista médico aposentado, Richard Neave, recriou o rosto de Jesus através do estudo de crânios Semitas, usando técnicas forenses.

 

O retrato mostra o “Filho de Deus”, segundo a religião cristã, com um rosto largo, olhos castanhos, uma barba espessa e cabelo crespo, curto, com a pele bronzeada. Essa aparência, provavelmente, teria sido típica dos judeus do Oriente Médio residentes na área de Galileia, em Israel.

 

Um retrato fiel de Jesus é complicado de ser feito, pois não existem descrições dele no Novo Testamento, ou desenhos feitos por algum apóstolo. Como nenhum esqueleto ou restos foram encontrados, também não é possível estudar seu DNA.

 

Então, Neave, anteriormente da Universidade de Manchester, na Inglaterra, usou uma técnica chamada antropologia forense para criar um retrato, bem como fragmentos de informações da Bíblia. A técnica utiliza dados culturais e arqueológicos, bem como técnicas semelhantes às utilizadas para resolver crimes, para estudar diferentes grupos de pessoas.

De acordo com as reconstituições modernas, este seria o "verdadeiro" rosto de Jesus. Foto: Reprodução / Daily Mail
De acordo com as reconstituições modernas, este seria o “verdadeiro” rosto de Jesus. Foto: Reprodução / Daily Mail

A equipe acredita que Jesus teria características faciais típicas do local com base em uma descrição dos acontecimentos no Jardim do Getsêmani, escrito no Novo Testamento, no Evangelho de Mateus. Richard escreveu que Jesus se assemelhava muito com seus discípulos, então, usando a radiografia de três crânios semitas da época, anteriormente encontrados por arqueólogos israelenses, foi possível criar ‘fatias’ para descobrir detalhes da composição de sua estrutura. Eles então usaram programas especializados para calcular medidas importantes e simular os músculos e a pele.

 

A partir destes dados, os peritos criaram uma reconstrução 3D digital do rosto, antes de criar um molde do crânio e a adição de camadas de barro, para coincidir com a espessura dos tecidos faciais calculados pelo programa. As características incluíam os olhos, nariz e lábios, seguindo a forma dos músculos subjacentes previstos pela forma das caveiras.

 

Apesar da análise não revelar a cor dos olhos de Jesus ou a aparência de seu cabelo, a equipe estudou quadros feitos no primeiro século, de vários sítios arqueológicos, criados antes da Bíblia ter sido escrita. A partir destas obras, surgiu a hipótese de que Jesus tinha olhos escuros e, provavelmente, uma barba, de acordo com as tradições judaicas da época.

 

A Bíblia também ofereceu uma ideia de como Cristo usava o cabelo curto, com cachos pequenos, ao contrário de muitas descrições renascentistas, por exemplo. Isto vem de uma passagem escrita por Paulo, que diz: “Se o homem tiver cabelo comprido, é uma desgraça para ele”. Isso sugere que Jesus não tinha este penteado.

 

No entanto, isso contradiz a imagem vista no Sudário de Turim, que, segundo a crença popular, carrega a imagem de Cristo quando ele estava envolvido em um pano após a sua morte, na cruz – embora todos os dados científicos atuais mostrem que o tecido não data daquela época, podendo apenas ser uma falsificação medieval.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]