Com a natureza não se brinca – uma frase que você já deve ter ouvido em algum lugar. Em muitas situações, ela é a pura verdade sobre respeitar as manifestações naturais. O caso ocorreu em Pilis, uma pequena cidade na Hungria de apenas 11.000 habitantes.

 

A névoa era tão fria que acabou congelando quase todas as formas de vida que encontrou pela frente. O fenômeno impressionou até mesmo os especialistas do serviço de meteorologia da Hungria.

nevoa-da-morte_01

Os cientistas emitiram um parecer informando que vários fatores incomuns somados foram os responsáveis pela “névoa da morte” – apelido que a imprensa do país cunhou.

 

Ao que tudo indica, uma camada de ar a 700 metros do solo foi detectada pelo sistema de radiossonda de Budapeste à meia-noite. Uma outra camada de ar, ainda mais poderosa e abaixo da primeira, trouxe ar seco, gerando temperaturas ainda mais congelantes. A névoa ficou a uma altura de 4 a 500 metros do solo, gerando temperaturas muito abaixo de zero.

 

Pequenos mamíferos, répteis, anfíbios e uma vastidão de espécies de plantas, não conseguiram sobreviver.

nevoa-da-morte_02

nevoa-da-morte_03

nevoa-da-morte_04

nevoa-da-morte_05

nevoa-da-morte_06

Organização de Meteorologia Szolgalat / Facebook da Organização ] [ Foto: Divulgação ]