Novas imagens em alta resolução enviadas da sonda New Horizons mostram texturas e cores diferentes da superfície do planeta anão, e revela que o metano está diretamente envolvido na formação destas paisagens congeladas.

 

As imagens tiveram cor induzida, o que significa que estão incorporando luz infravermelha além do espectro visível a olho nu. John Spencer, responsável pela análise das imagens, explica que se trata do mapa de projeção cilíndrica de Plutão melhorada e estendida, usando as cores vermelhas e azuis de filtros infravermelhos.

Novas-imagens-de-de-Plutao-03

As cores também são reforçadas para aumentar a saturação e fazer mudanças sutis para facilitar a visão. Muitos acidentes geográficos têm suas próprias cores distintas, contando uma história geológica e climatológica maravilhosamente complexas ainda sendo codificadas pelos pesquisadores. 

 

Com características visíveis através de 1,3 quilômetros, as imagens de alta resolução foram difíceis de ser dispostas em diferentes ângulos, segundo o cientista da equipe de imagens, Alex Parker. Ele teve que, cuidadosamente, esticar e deformar cada montanha para alinhar as cores com a fotografia detalhada. O processo levou uma semana para ser concluído.

 

A equipe de ciência da New Horizons está apelidando estes campos de colinas onduladas cobertas com sulcos lineares finamente detalhados como “pele de cobra”, por conta da textura. Na cor prolongada, as cristas são azuis-cinzentas e os vales são mais avermelhados. As montanhas estranhamente texturizadas foram nomeados de Tartarus Dorsa. Todos os cumes (Dorsa) em Plutão são nomeados como submundos ou locais específicos dentro de submundos: Tartarus é o lugar onde as almas são julgadas, descrito no Ilíada como localizado “muito abaixo do Hades, assim como o Céu está acima da Terra”.

Novas-imagens-de-de-Plutao-01

Segundo William McKinnon, do Geology, Geophysics and Imaging da Nasa, disse que a formação é ainda mais desconcertante do que o habitual. “Realmente vai levar algum tempo para descobrirmos o que é, talvez seja alguma combinação de forças tectônicas internas com a sublimação do gelo impulsionadas por uma tênue luz solar de Plutão”, sugeriu. 

 

Analisando algumas imagens do território, é possível visualizar algo parecido com um lago congelado, arrastando-se contra uma linha costeira de montanhas de gelo com penhascos. Esta planície de gelo foi chamada de Sputkin Planum. As formações que foram inicialmente consideradas dunas parecem realmente sê-las.

Novas-imagens-de-de-Plutao-02

O Sputnik Planum poderia ter concentrações de monóxido de carbono, mas agora também foi possível perceber sua abundância de metano. Isto está em nítido contraste com as regiões vizinhas mais velhas e robustas. A região escura, cheia de crateras, chamada de Cthulhu Regio, ao sul das planícies, é quase ausente em metano, com exceção de alguns cumes isolados. Fora do Sputnik Planum, o metano parece preferir bordas de crateras concentrando-se em planícies brilhantes, evitando regiões mais escuras. Mas ainda é difícil saber se isso é uma tendência ou uma casualidade.