Embora as mães constantemente alertem seus filhos sobre o perigo que é sair na rua com a cabeça molhada, esta crença não possui fundamento algum. Sabemos disso graças ao químico francês, Louis Pasteur.

 

Em 1878, o químico realizava numerosos estudos em animais e suas suscetibilidades ao vírus antraz (varíola) e notou que as galinhas eram imunes a ele.

 

Então, ele realizou um experimento expondo galinhas novamente ao antraz e, em seguida, jogou água fria nelas. As galinhas ficaram doentes e morreram. Quando ele repetiu a experiência envolvendo as galinhas em cobertores quentes depois de serem expostas, também ficaram doentes, mas se recuperaram.

 

Desde então, estudos realizados em todo o mundo consideraram que a combinação de cabelo molhado e frio não tem absolutamente nenhuma relação com pegar um resfriado. Ainda assim, mães de todos os lugares do mundo continuam alertando sobre este perigo. Mas, afinal, qual o motivo? Primeiro é preciso saber o que provoca o resfriado comum.

 

O resfriado comum é causado por germes que carregam o vírus do resfriado, transmitidos de pessoa para pessoa, principalmente através do contado com alguém infectado ou das partículas no ar que tenham sido espirradas por algum portador dos germes.

 

De fato, isso ocorre com mais frequência nos meses frios do inverno, mas não tem a ver com a temperatura exterior, e sim, com o fato de que as pessoas ficam em ambientes mais fechados durante estes meses, fazendo com que os vírus se espalhem mais facilmente. É por isso que as crianças adoecem com mais frequência no inverno. Além disso, o tempo frio tende a secar o revestimento mucoso do nariz, diminuindo a proteção aos germes quando eles entram. Portanto, sair com o cabelo molhado realmente não deixa a pessoa mais suscetível a pegar um resfriado.

[ Fonte: MNN ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]