Estudos revelam os efeitos causados pelo afastamento social durante diferentes fases da vida de uma pessoa

 

Em um novo estudo publicado pela revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, foi revelado que ter uma rede de amigos e familiares é importante por uma série de razões, além de ser o caminho para uma vida gratificante. Pesquisadores revelaram que a falta de relações sociais satisfatórias pode gerar uma série de problemas de saúde em diferentes estágios da vida, sendo muitas vezes, mais prejudicial do que a má alimentação ou o sedentarismo.

 

O impacto negativo do isolamento social na vida de uma pessoa, já foi tema de diversas pesquisas. Artigos publicados anteriormente, sugeriam que a taxa de mortalidade que a solidão carrega é semelhante à do tabagismo. No entanto, no estudo mais recente publicado pela Revista, são descritos todos os efeitos físicos causados pelo afastamento social durante diferentes fases da vida de uma pessoa.

 

Para chegar a tal conclusão, pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, colheram dados de quatro estudos de grande representação nacional que forneciam informações sobre a vida social de cerca de 14 mil participantes. As pesquisas apontavam que as estastícas se pareciam particularmente em dois aspectos: no tamanho da rede de relacionamentos e qualidade dessas relações. Outro fator observado falava sobre o modo como os indivíduos classificavam seus relacionamentos, como incentivador, crítico, amoroso, irritante ou cheio de brigas.

 

Com essas informações, os cientistas foram capazes de cruzar os dados com marcadores de saúde física, tais como, pressão arterial, peso e índice de massa corporal. O interesse dos pesquisadores era entender como as características alteravam-se de acordo com quatro fases da vida: a adolescência, juventude, idade adulta (meia-idade) e a idade adulta tardia.

 

Os resultados obtidos comprovavam que para os adolescentes, a quantidade de amigos era muito mais importante do que a qualidade dessas relações sociais, e que, durante o período de solidão os riscos à saúde aumentavam. Da mesma forma, para os indivíduos na fase da meia-idade, a qualidade de suas relações sociais se mostraram muito mais importantes do que o tamanho de suas redes de amigos. Além disso, para essas pessoas, a solidão aumentava o risco de hipertensão e diabetes.

 

Para Yang Claire Yang, coautora dos estudos, ter uma dieta saudável e praticar exercícios físicos são ótimas dicas para manter a saúde, mas tentar ter uma boa rede social de amigos e manter conexões com outras pessoas também é essencial para quem quer viver uma vida longa e saudável.

[ IFL Science ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]