Você já parou para ler a bula de alguns remédios que podem ser comuns em sua rotina?

 

Muitas pessoas costumam fazer automedicação sem nem ao menos ler os efeitos colaterais de determinadas drogas. Cuidado, pois eles podem ser muito perigosos para a saúde. Conheça agora seis efeitos colaterais inacreditáveis de alguns remédios populares ao redor do mundo.

 

6 – Risperdal – Homens podem desenvolver mamas e diabetes

O Risperdal, cujo princípio ativo é a risperidona, também conhecido como Zargus, Riss ou Viverdal, é um medicamento utilizado no tratamento de transtorno bipolar e esquizofrenia. No entanto, ele pode fazer homens desenvolverem seios. 

 

Desde 2012, o laboratório responsável recebe inúmeras ações judiciais por conta do potencial em gerar ginecomastia, um inchaço do tecido mamário masculino. A questão é que o fabricante não deu importância ao problema na descrição dos efeitos colaterais. Em 2006, pesquisadores estudaram os efeitos da droga em um grupo de dez adolescentes de ambos os sexos.

 

Três meninos desenvolveram seios e duas meninas começaram a produzir leite. Outro estudo recente mostrou que os adolescentes que tomam medicamentos antipsicóticos (incluindo o Risperdal) triplicam o risco de desenvolver diabetes tipo 2 durante o primeiro ano de uso. A Johnson & Johnson, fabricante do medicamento, estaria supostamente ciente desses efeitos secundários desde a década de 1990, mas decidiu colocar o produto no mercado mesmo assim.

 

5 – Xeloda – Droga contra o câncer pode fazer as impressões digitais desaparecerem

Em 2009, um homem de 62 anos de idade tentava entrar nos EUA e foi capturado na imigração. Ele dizia que ia apenas visitar seus “parentes”. Desconfiados de que o homem fosse um terrorista, detiveram-no e o levaram para realizar um teste de impressão digital, para verificar sua identidade.

 

No entanto, descobriu-se que o homem não apenas era completamente inocente de qualquer ameaça terrorista, como, na verdade, era exatamente quem ele dizia ser – um paciente idoso com câncer tentando visitar seus parentes norte-americanos. Ele tomava um medicamento que tinha, inconvenientemente, apagado suas impressões digitais.

 

A droga, chamada Capecitabina (aqui no Brasil vendida com o nome de Xeloda), é usada para tratar vários tipos de câncer (mama, pescoço, cabeça, cólon), mas tem o infeliz efeito colateral conhecido como síndrome mão-pé.

 

Ela se manifesta através de uma série de sintomas aterrorizantes, incluindo inchaço, disestesia (quando os nervos confundem os sentidos) e hiperpigmentação (quando a pele fica escura e manchada). Eventualmente, bolhas aparecem e grandes porções da pele podem cair do corpo. Isso inclui a pele nas pontas dos dedos, o que pode fazer as impressões digitais desaparecerem.

 

4 – Tetraciclina – Medicamento contra cravos e espinhas pode destruir os dentes

Cravos, espinhas e acnes são um pesadelo na vida de todo adolescente. A tetraciclina pode limpar a pele e é muitas vezes receitada em casos mais sérios de tratamento. Mas ela também tem um terrível efeito colateral, que pode descolorir totalmente os dentes do paciente.

 

Com ocorrência em cerca de 3 a 4% dos pacientes, o efeito colateral é conhecido desde 1956, quando os primeiros relatos apareceram (isso ocorre em qualquer uso do antibiótico, seja para acne ou qualquer outra coisa). Diferentes derivados da droga foram desenvolvidos em um esforço para eliminar esse risco, tais como a Minociclina, que falhou e acabou conseguindo aumentar a frequência das manchas nos dentes dos usuários.

 

Para piorar a situação, a probabilidade aumenta quando a tetraciclina é tomada por um período prolongado de tempo, que é praticamente o uso-padrão da medicação contra acne, em que um tratamento pode demorar até 12 semanas. A descoloração não pode ser revertida, a menos que próteses de porcelana ou algo do gênero possam ser implantadas.

 

3- Fosamax – Remédio para osteoporose pode quebrar os ossos mais fortes

A osteoporose é uma doença que faz com que os ossos das pessoas mais velhas sejam frágeis. O Fosamax tem como princípio ativo o alendronato de sódio e também é conhecido como Alendil, Endrox e Recalfe. Ele é indicado para tratar a doença, mas, desde que se tornou popular, acumulando uma fortuna pelas vendas, tem um efeito colateral totalmente reverso ao objetivo do tratamento.

 

Ele pode enfraquecer os ossos da coxa, que são os mais fortes do corpo humano, até que fiquem extremamente frágeis. Uma paciente quebrou seu fêmur enquanto pulava corda com algumas crianças, enquanto outra quebrou a perna apenas ao dar um passo para trás. Apesar disso, os casos são relativamente raros e, na maioria das vezes, acontecem apenas com mulheres pós-menopáusicas. Milhares de usuários do Fosamax entraram com ações judiciais contra o fabricante da droga.

 

2- Abilify – Remédio para tratamentos psicológicos pode causar condição nervosa que não deixa a pessoa ficar parada

O Abilify, cujo princípio ativo é o aripiprazol, é um medicamento originalmente prescrito para esquizofrenia, hoje um dos mais populares tratamentos para transtorno bipolar e outros depressivos. Desde que foi aprovado para uso expandido, pela Administração de Drogas e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos, em 2005, as vendas do medicamento dobraram e a droga tornou-se a primeira linha de tratamento para um grupo inteiro de psiquiatras.

 

O problema é que o Abilify pode causar acatisia, condição nervosa que faz com que a pessoa não consiga ficar parada. O relato de um paciente diz: “Eu comecei a andar e era incapaz de ficar parado. Eu caminhei pelos corredores por três dias seguidos. Eu estava desesperado por socorro e senti que para me manter seguro eu precisava ser hospitalizado”. 

 

Interrompendo o tratamento, a acatisia também é interrompida. Porém, em poucos casos, é possível que o problema persista, mesmo após a interrupção medicamentosa. Comerciais do Abilify tocam ligeiramente no assunto, pedindo que o usuário “fale com o seu médico sobre movimentos musculares incontroláveis, pois estes podem se tornar permanentes”.

 

Para piorar a situação, o Abilify não é tão eficiente no tratamento de transtorno bipolar. Durante o estudo que levou à aprovação da droga, pela FDA, menos de um quinto dos participantes realmente fizeram o tratamento até o fim. Além disso, o estudo foi financiado pelo fabricante da droga e sua agência de marketing. O psiquiatra e pesquisador de Harvard, Alexander C. Tsai, refere-se ao uso expandido da droga como “uma vergonha para a profissão”.

 

1- Mirapex – Droga contra o Parkinson pode transformar seu mundo em um filme de terror

O Mal de Parkinson é degenerativo e a medicina sabe pouco sobre a sua causa exata. Na tentativa de controlá-la, foi criada uma droga chamada Mirapex, destinada a tratar os sintomas. Infelizmente, o remédio tem um efeito colateral terrível, completamente não intencional, que coloca seus usuários em uma dimensão alternativa, onde a realidade é uma invenção da imaginação de alguém.

 

O Mirapex pode causar alucinações vividamente reais, que variam muito de usuário para usuário. Algumas pessoas veem coisas estranhas no canto do olho, enquanto outras descrevem seres bidimensionais e formas humanas feitas de sombras, e alguns até conversam com “seres” criados pela imaginação.

 

Além disso, há ainda outros efeitos colaterais, como náusea, suores, tonturas, desmaios, dor, tremores, espasmos, movimentos descontrolados de apêndices e, estranhamente, urina colorida. Apesar de tudo isso, o Mirapex é prescrito em casos isolados, principalmente para tratar a síndrome das pernas inquietas, uma condição relativamente inofensiva que afeta até 10% dos adultos nos Estados Unidos.

[ Cracked ] [ Fotos: Reprodução / Holykaw ]