O último rinoceronte-de-sumatra macho da Malásia morreu na segunda-feira (27).

Agora, resta apenas uma fêmea no país, o que deixa a espécie criticamente ameaçada ainda mais perto da extinção.

A Malásia agora precisa colaborar com a Indonésia, onde ainda existem alguns rinocerontes-de-sumatra nas florestas, para tentar aumentar os números da espécie.

Tam

Anteriormente, o rinoceronte-de-sumatra podia ser encontrado em uma área tão abrangente quanto o leste da Índia até toda a Malásia.

Hoje, o animal está quase dizimado, com menos de 80 sobreviventes no ambiente selvagem, segundo dados da organização não governamental World Wildlife Fund (WWF).

De acordo com Augustine Tuuga, diretor do Departamento de Vida Selvagem de Sabah, na Malásia, o macho chamado Tam vivia em uma reserva natural na ilha de Bornéu.

A causa de sua morte ainda não foi determinada oficialmente, mas relatos anteriores na imprensa sugeriam que Tam sofria de problemas renais e hepáticos.

Fertilização in vitro

A morte do rinoceronte pressiona um esforço contínuo de conservacionistas na esperança de usar técnicas de fertilização in vitro para criar descendentes do último rinoceronte-de-sumatra da Malásia, a fêmea Iman, com um macho indonésio.

Tuuga explica que houve problemas com o útero de Iman e que ela é incapaz de engravidar, embora ainda seja capaz de produzir óvulos.

“Nós apenas temos que cuidar do último rinoceronte remanescente. É tudo o que podemos fazer e tentar, se possível, trabalhar com a Indonésia”, declarou.

Fonte: HypeScience / Phys Foto: Reprodução / Phys