Uma gata ficou cega depois de ser mergulhada no cimento, em Goiânia. Segundo o grupo de protetores de animais que a socorreu no sábado (19/2), ainda não foi identificado o suspeito do crime contra a felina, que vivia abandonada nas ruas.

O animal está internado em uma clínica veterinária, com quadro de saúde estável. No entanto ainda não há previsão de alta para gata que ficou cega. (veja o vídeo).

O grupo de protetores de animais informou que recebeu pedido de ajuda de um morador que encontrou a gata já em estado grave. Em seguida, os agentes resgataram a felina, que recebeu o nome de Eva, e a acolheram mesmo sem verba para custear o tratamento até então. O animal nem conseguia se mexer mais por causa do cimento e dos maus-tratos sofrido.

“Amigos, recebemos esse pedido de ajuda e nos informaram que jogaram cimento. O caso é bastante grave. Se não for socorrido logo, vai morrer”, disse o grupo, nas redes sociais, assim que recebeu o pedido para socorrer o animal. “Mas não vamos virar as costas”, acrescentou.

A grande quantidade de cimento fez o grupo de protetores confundir até o sexo da gata, que chegou a ser batizada de Dengo antes da remoção do produto por todo o corpo. O bicho chegou a sofrer risco de morte por causa do grande volume de cimento nele.

Assim que chegou ao hospital veterinário, Eva teve seu quadro de saúde classificado como grave. “Infelizmente, quem fez isso, além de ter causado sofrimento enorme para ele, ainda o deixou cego. Ele tem cimento por todo seu corpinho, está muito fraco, totalmente desidratado. Não iria aguentar muito tempo”.

Depois de receber os primeiros atendimentos na clínica veterinária, a gatinha apresentou melhora, no domingo. “Passou a noite estável, está comendo muito bem e mantendo bem sua temperatura. Como vocês podem ver, depois dessa atrocidade que sofreu, ficou cego”, disse o grupo.

Cegueira

Segundo a ONG, a lesão que provocou a cegueira é recente e foi causada pelo crime de maus-tratos. “Não foi um acidente”, afirmou o grupo. Por se tratar de um caso recente e bastante delicado, os protetores de animais ainda não sabem dizer se a cegueira é irreversível.

“Ao que tudo indica é irreversível. Assim que [Eva] estabilizar, nós vamos levá-la a um oftalmologista”, informou a associação.

Os veterinários já deram banho e realizaram algumas tosas em Eva. No entanto, a massa de cimento endureceu de maneira muito rápida e o procedimento para a remoção do concreto é doloroso para a gatinha. Portanto, precisa ser realizado com paciência e muita cautela.

Apesar da crueldade do crime, Eva está com a saúde estável. Ela consegue se alimentar sozinha e, segundo a clínica veterinária, não teve audição afetada.

Viralizou

O caso de Eva viralizou nas redes sociais. Somente um post no Twitter que informava sobre o caso recebeu mais de 18 mil compartilhamentos e mais de 31 mil curtidas.

Muitas pessoas se preocuparam e se solidarizaram com a situação. Graças a isso, o Grupo de Protetores de Animais Goiânia, está conseguindo com a internação e tosas do animal.

De acordo com os protetores, não se sabe ainda quem é o responsável pelo crime. A associação afirma que costuma denunciar os crimes à polícia, mas a prioridade é sempre salvar a vida dos animais. A Polícia Civil investiga o caso, mas ainda não identificou o suspeito.

Fonte(s): Metrópoles Imagens: Reprodução / Instagram