Uma garotinha usou aparelho por 18 meses e conseguiu um resultado impressionante.

 

Apesar de “testados” como uma forma de desentortar os dentes por gregos, egípcios, etruscos e romanos, o primeiro aparelho ortodôntico surgiu na Europa do século XVIII.

 

O objeto era chamado de “bandeau” e foi inventado pelo dentista francês Pierre Fauchard, autor do livro “O Cirurgião Dentista”. Em seu livro, ele dedicou um capítulo inteiro às formas de corrigir os dentes. O bandeau (bandô, em português) era uma peça de metal em forma de ferradura, que ajudava a expandir a arcada dentária e reposicionar os dentes amontoados. Ele pode ser, portanto, considerado o avô dos aparelhos móveis.

 

Já o aparelho fixo, só viria aparecer no final dos anos 50, depois da adoção do aço inoxidável pelos dentistas para a fabricação de fios, bandas e bráquetes, as três peças que formam um aparelho dentário fixo. Com o passar do tempo, os aparelhos sofreram modificações constantes, indo dos fixos que puxavam extensões para fora da boca, até os transparentes que conhecemos hoje. 

 

Os aparelhos podem ser usados por questões estéticas ou por necessidade, como corrigir a arcada dentária. Quem usou sabe que são extremamente desconfortáveis (apesar de alguns até gostarem e não sofrer incômodos), pois usam fios metálicos para exercer pressão sobre os dentes.

 

O aparelho também pode prevenir o aparecimento de cáries, doenças nas gengivas, alterações na fala, problemas funcionais e perdas ósseas ou dos dentes. Isso porque, eles corrigem os dentes mal posicionados, que são capazes de promover todas essas complicações.

 

Para exemplificar melhor o uso deles, no vídeo abaixo você vai ver a diferença que o uso do aparelho ortodôntico por 18 meses fez no sorriso de uma menina de 11 anos. O resultado é surpreendente:

[ Sploid / Terra ] [ Foto: Reprodução / Sploid ]