O famoso programa de troca de mensagens de áudio, vídeo e voz, WhatsApp, está pedindo que seus usuários atualizem o aplicativo após ter sido detectado um ataque hacker que pode afetar os usuários.

A empresa divulgou as informações nesta segunda-feira (13/05/2019) após identificar a vulnerabilidade no sistema. A falha permite que hackers consigam instalar um “spyware” – programa malicioso elaborado para danificar ou roubar dados pessoais dos usuários – em alguns aparelhos de celular.

O WhatsApp confirmou a informação através de um comunicado oficial à imprensa publicada no jornal Financial Times. Na nota, a empresa pede que seus 1,5 bilhão de usuários em todo o planeta “atualizem o aplicativo para a sua versão mais recente”.

“Spyware”

O software malicioso foi identificado pelos especialistas da empresa. O programa que conseguiu ser instalado em alguns aparelhos, é muito parecido com outro programa anteriormente desenvolvido pela empresa NSO Group. 

A NOS Group é uma empresa de Israel especialista em cibersegurança. O WhatsApp colocou a empresa como um dos principais suspeitos pelo programa de espionagem, pelas semelhanças que o “spyware” apresenta.

Quando foi identificado?

A falha, apesar de ter sido informada pela empresa ontem, segunda-feira (13/05/2019), foi identificada há poucos dias, mas ainda não foi informado há quanto tempo o programa estaria atuando.

O programa espião funcionava da seguinte forma: os hackers ligavam para o WhatsApp da pessoa que queriam roubar seus dados e, mesmo que este usuário não atendesse a chamada, o programa era instalado no aparelho celular.

Oficialmente, o WhatsApp disse que no momento não é possível informar ou mensurar quantos usuários foram afetados, mas eles analisaram que os usuários foram escolhidos “especificamente” como alvos do programa. Sendo assim, não seria considerado um ataque em massa, mas algo personalizado com fins específicos.

O WhatsApp foi comprado pelo Facebook em 2014 por 22 bilhões de dólares.